“A Equipe Casa Sul está funcionando normalmente em home office. Se precisar falar conosco, ligue para (41) 99966-8360 ou clique aqui para mandar uma mensagem via WhatsApp”

  • CONTENT
Conexão

Bolsas com madeira e couro: conheça a marca curitibana Yë

Dani Carazzai Onde: Curitiba • 05 de Março - 2020 | Fotos Ronaldo Fraga - Agência Fotosite

Marca curitibana cria bolsas e acessórios para Ronaldo Fraga e aposta no design minimalista em suas coleções próprias

No trabalho artesanal do ateliê, a máquina de costura é companheira inseparável

No princípio, tudo pareceu ao acaso. Enzo Yassuda e Juliana Erig, as cabeças e mãos por trás da marca Yë, criaram as primeiras bolsas unindo madeira e couro. Juntaram suas habilidades, ela em artes visuais e ele no design de sapataria, e apostaram em linhas bem limpas, com certa influência oriental. E deu muito certo. “Nós nunca aprendemos a fazer bolsas de uma maneira tradicional, houve muita tentativa e erro. Mas acredito que temos uma grande habilidade para perceber (e aproveitar) as oportunidades que se abrem para o nosso negócio”, conta Juliana.

 

Uma delas foi num café, onde encontraram o estilista Ronaldo Fraga. Dessa simples - e bem aproveitada - casualidade surgiu o convite para criação de bolsas e acessórios para um desfile, prática que já se repete desde 2015, com cinco coleções exclusivas. “Ele tira a gente da zona de conforto, acelera nosso ritmo e nos faz criar coisas novas”, explica Enzo. Para eles, esse trabalho mudou o patamar da Yë. “Com a parceria, profissionalizamos 100% do que estávamos fazendo", contam.

 

O que mais encanta as pessoas, o uso da madeira nas bolsas, é uma prática antiga. Mas, no passado, não havia tecnologia para fazê-las tão leves. Nas coleções próprias, a aposta é no minimalismo e na atemporalidade. Fazer os produtos duráveis também está no topo da lista de prioridades e a inspiração está em toda parte, especialmente na decoração. “Objetos, móveis, cerâmicas e até tênis ou sapatos podem nos trazer uma nova ideia. Ali pode estar uma dobra diferente, uma maneira nova de prender algo. Resignificar o que vemos é um ótimo exercício criativo”, finaliza Juliana.

Comentários
Deixe seu comentário

Identificação X
entrar usando o facebook